READING

10 dicas NÃO infalíveis para comunicar a sua marca...

10 dicas NÃO infalíveis para comunicar a sua marca pessoal nas redes

Nessa última semana tive a oportunidade de debater um pouco sobre a efemeridade e a superficialidade dos conteúdos nas redes e o quanto eles são difundidos e até mesmo apreciados pela maior parte das pessoas. É natural que o resumo das informações seja bem recebido em nossos tempos, já que temos uma infinidade de informações e queremos absorvê-las ao máximo no menor tempo possível.

Assim, me questionei sobre o meu próximo post e o que poderia ser apreciado por quem quer saber mais sobre Personal Branding (Se quiser entender mais sobre o termo, leia meu último post). E me questionei se o que eu realmente queria era atingir a maioria com dicas práticas e receitas prontas ou se mergulharia mais sobre cada um dos tópicos do tema possíveis de serem aplicados na vida das pessoas. Refleti sobre a minha essência e optei pela segunda opção.  Posso até atingir um público mais restrito, mas como tenho o objetivo de disseminar (e dissecar) um tema já tão malvisto e com vários preconceitos (e que, por acaso, gostaria de revertê-los), não gostaria de correr o risco de cair no bolo daqueles que fazem uma coisa ou outra no feeling, leem um ou outro texto sobre o assunto e se divulgam como experts.

Bom, dito isso, vamos ao que interessa.

Um dos pontos que me perguntam com mais frequência é como ser mais influente nas mídias sociais ou como usá-las a favor de seus objetivos profissionais.

Em tempos em que a exposição virtual tem grande alcance e, usando a máxima de que “quem não é visto, não é lembrado”, essa preocupação tem bastante sentido.

O uso das mídias digitais é o ponto mais visível quando o assunto é marca pessoal (muitos resumem o gerenciamento da marca pessoal com a prática de manter-se atualizado nas redes, o que já adianto que não é verdade). Por isso, é compreensível a ansiedade e apreensão em querer partir para a prática quando eu pergunto: Como você está se comunicando nas redes? Essa comunicação é coerente com quem você é ou como você quer ser percebido? Seus canais de comunicação estão atualizados?

Essa reflexão geralmente nos promove o desespero e a urgência em tomar alguma atitude.

Entretanto, vale lembrar que essas serão medidas paliativas quando se trata do gerenciamento da sua marca pessoal.

Definir seus objetivos, o público-alvo, seu posicionamento, linguagem, sua proposta única de valor, seus planos de ação envolvendo a estratégia da sua marca são passos BEM relevantes antes de você colocar o pé no acelerador e investir em publicações em suas redes ou frequentar ativamente eventos de networking. Lembre-se que o reposicionamento dá muito trabalho e é mais difícil. Sem objetivos, ações randômicas não são eficazes.

Não pense na comunicação como um check-list de itens padrão a serem executados. As estratégias devem guiar as táticas. E a forma como você utiliza os canais online para a comunicação é apenas uma das táticas.

De toda forma, já que todos nós estamos presentes online e como sei que muitos querem partir para a prática, aqui vão algumas observações, ou melhor, as minhas dicas NÃO infalíveis, já que nesse assunto o que menos posso fazer é generalizar:

– Pesquise seu nome no Google e observe os resultados. Observe a que páginas você está associado, a que temas, quais fotos estão expostas. Elas estão alinhadas com quem você é/quer ser visto ou reconhecido? Se não, é melhor começar a monitorar e gerenciar o que é vinculado a você. Aqui muitas das ações não estarão ao seu alcance de mudar (um trabalho mais intenso e de gestão da reputação pode ou não ser necessário, dependendo do impacto dos resultados na sua imagem), mas o que tiver em seu poder (fotos com resolução ruim, aquela foto em uma festa bêbado, comentários seus não muito agradáveis ou pertinentes, textos mal escritos) faça!

– Construir uma marca no meio digital significa estar atualizado! Cheque suas redes sociais e verifique a frequência das suas atualizações. Será que vale a pena manter um canal com notícias antigas e que não representam quem você é atualmente?

– Você quer ter relevância para o seu público-alvo? Antes de registrar-se em todos os canais possíveis, descubra onde o seu público está e onde é mais atuante. Já pensou que talvez não valha a pena investir no Facebook, caso você queira interagir com um público bem mais jovem?

– Além do Linkedin, Facebook, Twitter e Instagram, explore mais um pouco sobre canais como SlideShare, Snapchat, Pinterest, Medium, Podcasts, Youtube, Vimeo, Google Plus, about.me…

– Blog não é para todo mundo. Exige dedicação, tempo, consistência e não é algo tão glamoroso quanto pode parecer. Por outro lado, vale o investimento já que é um local pra você se posicionar, compartilhar conhecimento, recursos e valores como nenhum outro. Você pode investir em seu próprio blog como um epicentro de todas as suas outras redes.

– Ao escrever (sejam posts ou textos mais longos): Seja criativo. Conecte-se com o seu leitor (escreva na 1ª pessoa). Encontre a sua voz, sua linguagem e forma de escrita. Seja honesto. Responda aos comentários. Seja preciso e regular com a frequência das postagens. Compartilhe informações relevantes (uma pergunta que o ajuda a refletir sobre a relevância é: se todo o seu conteúdo fosse retirado da internet, alguém sentiria falta?). Incorpore suas paixões. Seja consistente com a sua marca.

– Utilize fotos profissionais como destaque nos seus perfis, ao enviar sua minibio, ao participar de alguma entrevista. Eles elevam o patamar e a credibilidade da imagem que você transmite.

– Use a regra 80/20. 80% das suas postagens devem ter como foco entregar valor ao seu público, com conteúdo que faça sentido para ele.  Os outros 20% você pode usá-lo como forma de marketing pessoal, falando de algo do seu interesse ou sobre você.

– Se alguém que tiver o mesmo nome que você possuir alta relevância online, pense em estratégias para se diferenciar como utilizar apelidos, abreviações do seu nome ou aumentar a sua atividade no meio digital para alcançar um melhor posicionamento.

– Por último, vale lembrar que o posicionamento da sua marca pessoal envolve muito mais do que a presença nas redes. Envolve cada possibilidade de interação que você tem com o seu público, seja de forma virtual ou presencial. Então trabalhe para que a experiência que os outros têm interagindo com você seja relevante e prazerosa!


RELATED POST

  1. Denise

    10 fevereiro

    Otimo! Obrigada.

  2. Parabéns, muito bem colocado! Seu argumento é consistente pois devemos refletir sobre quem somos, qual a imagem queremos passar e como vamos atingir nossos objetivos eletrônicos digitais! As redes sociais e a informática estão possibilitando novas conexões neurais exigindo posicionamento ético e muito cuidado com as interações. Estamos super expostos e queremos esta exposição. A busca de reconhecimento aliados à vontade de superar a impotência política, socioambiental tem levado muitos até os canais de comunicação eletrônicos que permitem a cada indivíduo ter voz ativa, ou pelo menos acreditar que temos!

    • Juliana

      16 fevereiro

      Obrigada pelo posicionamento e por sua reflexão, Geraldo. É isso mesmo. Essa busca tem se tornado maior, assim como a valorização do profissional (acima da empresa para qual ele trabalha), já que somos seres únicos, com experiências únicas e temos muita vontade de compartilhar e comunicá-las.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *