READING

Personal Branding e Social Selling: Você e as vend...

Personal Branding e Social Selling: Você e as vendas da sua empresa.

Um novo comportamento surge com a evolução das redes sociais e da forma como consumidores e marcas se relacionam: O social selling.

O consumidor atual é informado e independente. É capaz de pesquisar, formar opiniões, recomendar serviços e engajar com marcas. Isso, sem precisar ter nenhum contato com o time de vendas de uma empresa. Assim como o self-service é cada vez mais comum nas lojas físicas (nós sabemos o que queremos, e se não, o Google está ali a um touch de distância). Sendo assim, a abordagem fria de empresas e sua equipe de vendas é cada vez menos valorizado por tomadores de decisão.

O social selling é o termo usado para a prática de engajar, estabelecer confiança e nutrir prospects com conteúdo de valor em um relacionamento contínuo. O social selling tem como objetivo desenvolver relacionamentos significativos e estar na mente de potenciais clientes quando eles estiverem prontos a comprar o seu serviço/produto. Ao desenvolver relacionamentos você tera mais informações e entenderá melhor as possíveis dores, motivações e objetivos do seu público alvo. Ou seja estará ainda mais propenso a oferecer exatamente aquilo que o seu público precisa.

Seria Social selling sinônimo de social media marketing?
Na verdade, não. Apesar de terem objetivos finais similares: desenvolver relacionamento, educar prospects e aumentar visibilidade, os dois termos tem as suas diferenças. Como o próprio nome diz, o social media marketing é conduzido pela equipe de marketing da empresa, enquanto o social selling está nas mãos dos representantes de vendas. Além disso o social media marketing conversa com todos de uma vez, com um audiência ampla, enquanto o social selling tem como foco compradores individuais. Por último, enquanto o primeiro tem a marca corporativa como o emissor da mensagem o outro tem o indivíduo, ou seja, a sua marca pessoal, como a fonte disseminadora.

E finalmente aqui vem o link com o Personal Branding, minha área de expertise, e o novo termo Social Selling.

Analisando o cenário em que estamos vivendo com a fusão entre nossas vidas offline e o mundo online, observamos também o fim da barreira formal entre a vida profissional e pessoal no mundo online. Esqueça o uniforme e o comportamento restrito ao escritório das 9h as 18h. A unidade, ou seja, o comportamento consistente, não importa o ambiente, é um dos principais pontos para uma marca pessoal forte. Comportamento cada vez mais valorizado por enfatizar o elemento humano, que é o que buscamos ao nos conectarmos, e é nele que acreditamos.

Por isso o social selling é um dos termos do momento. Deixamos de acreditar em organizações e passamos a acreditar em indivíduos para as tomadas de decisão.

Como um profissional de vendas, ou um empreendedor a frente do seu negócio, queremos ouvir a sua opinião como expert na sua área. Queremos a sua opinião genuína, criteriosa. Esqueça a  autopromoção apenas por autopromoção.

Ao mesmo tempo em que você se coloca mais visível, deixando de se esconder pelo seu cargo ou posição, esse é tambem o momento de refletir: De que forma o conteúdo que compartilha está alinhado à sua marca pessoal? Porque ele é relevante para o seu posicionamento? De que forma você quer ser reconhecido pelas pessoas da sua rede? De que forma o seu papel hoje pode alavancar o caminho aos seus objetivos?

Adicionar o elemento humano é fundamental. Ou isso será apenas propaganda, copy & paste de conteúdo. O engajamento é inversamente proporcional à robotização e automação da mensagem ou da intenção. Tenha propósito no que você diz/escreve ou compartilha. Posicione-se, emita a sua opinião. Conecte a sua marca pessoal, autêntica, à marca da empresa que você representa ou seu próprio negócio. Essa é a chave para alcançar o engajamento que procura.


RELATED POST

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *