Instagram: Devo ter uma Conta Profissional Separada da Minha Pessoal?

Há sempre uma grande preocupação relacionada às boas práticas e utilização das redes sociais, o que se deve ou não fazer ou, ainda, o que funciona e o que não funciona.

Se pensarmos que essas redes são primordialmente canais de distribuição, entenderemos que antes de aderir a qualquer fórmula ou resposta será preciso entender os nossos objetivos ao estarmos presentes nelas, além de entender o que se adapta melhor ao nosso contexto.

Por isso, trago algumas reflexões que podem ajudá-lo a tomar essa decisão: mantenho duas contas separadas no Instagram ou invisto em apenas uma?

 

Somos apenas um

Na lógica do branding pessoal, a unidade é pré-requisito. Ou seja, não há separação entre quem você é na profissão e quem você é na vida pessoal. Você é a mesma pessoa que transita nesses dois ambientes. Mesmo que haja adaptações ao ambiente, seja de estilo ou de comportamento, você na essência é a mesma pessoa.

E quanto mais coerente uma marca pessoal for – em suas falas, ações, atitudes e imagem – mais confiança ela gera.

E a confiança é um requisito para a escolha. Seja para uma compra ou para um relacionamento.

Por isso, não acredito em contas que são separadas com o objetivo único de mostrar a vida com filtros e a vida sem filtros. Se eu, audiência, busco sempre a verdade, o que irá me interessar é a sua vida real. Eu quero saber que você realmente é, antes de confiar em você.

Quer dizer então que devo ter uma conta com tudo misturado? Não necessariamente. Existem outros motivos pelos quais você pode querer ou precisar ter suas contas separadas.

 

Não existe ambiente privado

– Ju, mas não quero que os meus clientes tenham acesso ao meu conteúdo pessoal!

É sempre bom ter em mente que o que é postado online nunca é privado. Mesmo em uma conversa de whatsapp, um print de uma conversa pode se tornar público em segundos.

E nesse caso, se você não quer que as suas conexões profissionais vejam o que você posta na sua rede privada, pode ser que seja o momento de também refletir o porquê você posta esse conteúdo, acessível apenas à parte da sua audiência.

Ou seja, qual necessidade sua está sendo suprida no momento em que você clica em publicar esse conteúdo?

A percepção que o outro tem sobre quem somos e o que temos de valor, é formada por diversos pontos de contato da nossa marca pessoal com ele. E um dos pontos de contatos mais ativos e presentes no nosso dia a dia é o ambiente online.

Não é verdade que às vezes temos mais contato com o nosso colega de trabalho no meio online do que no meio offline? Ou seja, sabemos mais sobre sua vida ou vemos mais a sua imagem ali, do que no dia a dia presencial. E o que vemos constantemente ali faz parte do que temos de informação para formarmos as percepções sobre aquela pessoa, sendo elas verdadeiras ou não.

Não temos controle sobre a percepção formada sobre nós, mas somos nós que enviamos os sinais e elementos para que eles a formem. E o que postamos online tem grande influência sobre ela.

Quer dizer que eu não posso ser quem eu sou nas redes sociais?

Não! Na verdade, você deve ser quem você realmente é!

Mas aqui vão algumas reflexões: 

– Na vida real, é preciso se adaptar a cada ambiente que você vai: da casa dos sogros a uma reunião de trabalho. Você não deixa de ser você, com sua personalidade, seus gostos ou os seus valores, você apenas se adequa em comportamento àquele ambiente, já que você inconscientemente reflete: o que é importante aqui?

Na rede social, a lógica é a mesma. A diferença é que estão todos em um mesmo ambiente. Por isso, o comportamento saudável e positivo é sempre a melhor escolha.

– Será que é preciso postar tudo o que vivemos? Ou às vezes não podemos deixar a câmera de lado e viver intensamente muitos momentos apenas no meio offline?

– Muitas vezes esquecemos de sensibilizar a nossa própria rede com relação ao que podemos oferecer de melhor. Nos esquecemos de que aquele amigo pode ser o nosso futuro cliente ou, ao menos, conhece alguém que pode ser. Por isso, faz sentido que eles tenham a mesma percepção que os nossos clientes ou colegas possuem sobre nós.

 

Vida íntima x vida pessoal

– Ju, eu não gosto de expor a minha vida pessoal, a minha vida em família, etc.

Você não precisa.

Ao mesmo tempo é importante entender a diferença entre vida pessoal e a vida íntima.

Não precisamos expor o que comemos ou o que lemos antes de dormir para toda nossa rede, se não quisermos ou se não acharmos que isso é relevante.

Ao mesmo tempo, é possível expor um pouco mais sobre quem somos, para gerar conexão com o nosso público, sem nos sentirmos desconfortáveis. Afinal, sua vida não será um livro aberto se você tiver no seu feed uma foto em família ou com o seu cachorro. Você está apenas mostrando um pouco mais sobre quem você é ou do que valoriza. O que é diferente de ter a sua vida íntima exposta.

 

Sua vitrine de vendas

De maneira geral, se usamos o Instagram para negócios, precisamos entender que ele é a nossa vitrine de vendas. E essa vitrine deve ser capaz de mostrar – em segundos – quem você é, como você ajuda o seu público e o que você oferece/vende.

Claro que podem existir outros posts aleatórios, mas o objetivo principal é ser capaz de expor uma explicação clara sobre o que você tem de melhor a oferecer para quem você quer atrair.

Mas então, devo ter nessa vitrine informações apenas profissionais ou pessoais?

Aqui, alguns pontos importantes para reflexão:

O quanto o produto/serviço oferecido representa a sua marca pessoal? O Instagram é o seu único canal de vendas/conteúdo? O conteúdo é suficiente para o seu público? Você possui dois ou mais serviços com audiência totalmente distintas?

Para o empreendedor e para a sua empresa, a decisão de ter duas contas é mais clara.

A marca da empresa é bem determinada e consolidada na comunicação desde o início de maneira distinta à marca pessoal do empreendedor – sua identidade, seus valores, produtos, serviços, imagem, personalidade, etc.

No caso do autônomo, o que ele faz, faz parte de quem ele é. Identidade, valores, história ou imagem, por exemplo, são refletidos integralmente nos serviços oferecidos. Nesse caso, ter uma conta única geralmente pode atendê-lo bem. Mas mesmo nesse caso, é preciso fazer algumas considerações.

 

Algumas razões que podem levá-lo a ter duas contas:

– O seu Instagram é o único canal que oferece para para saber mais sobre o seu trabalho ou é o único local onde compartilha o seu conhecimento

Nesse caso, a frequência e a dose com que você precisa falar sobre o tema é bem maior, já que não há outro lugar em que posso me aprofundar sobre o tema e ser redirecionado. Sendo assim, pode fazer sentido que você tenha um canal específico e mais aprofundado para falar sobre o tema (sempre tendo você – e a sua imagem – como o porta-voz e não apenas uma logo) e outro perfil mais “leve” no que se refere ao conteúdo no seu tema.

Exemplos: se você é um designer e quer ter um perfil como um portfólio de todos os seus trabalhos. Ou se você é alguém que fala sobre moda e quer ter um perfil onde compartilha informações aprofundadas sobre o que acontece nos desfiles ou sobre looks diários dos famosos. Esse conteúdo frequente e mais específico pode ser menos atrativo para a sua rede em geral, mas pode fazer muito sentido para o público que busca esse tipo de informação mais aprofundada.

Se você tem um blog, um site ou um canal do youtube para disseminar esse conteúdo mais denso, pode não ser necessário você ter um perfil diferente, já que pode direcionar os mais interessados a um outro canal.

 

– Você possui dois serviços ou propostas de valor para públicos diferentes

Se você é um fotógrafo e um cozinheiro e está tentando desenvolver dois negócios diferentes com essas duas habilidades, faz sentido ter perfis segmentados. Isso porque ter apenas uma conta pode gerar mais dificuldade em obter novos seguidores, pois o conteúdo da conta terá muitas postagens diferentes sem uma visão clara e convergente, o que os deixam confusos. E o que é confuso atualmente, é ignorado.

Entretanto, se você estiver com o foco de desenvolver apenas um dos negócios, a abordagem pode ser diferente.

Vamos dizer que você quer ser reconhecido como cozinheiro e a fotografia é um hobby, você talvez consiga implementar as postagens de fotografia como um toque e um diferencial da sua marca pessoal. Nesse caso, essas postagens não serão – e não devem ser –  frequentes (como seriam caso a fotografia fosse um negócio). Elas servem como um propósito de gerar conexão com o seu público ao mostrar um pouco mais sobre quem você é.

 

– Tenho uma necessidade de postar sem pensar muito na mensagem

Como disse, se usamos o Instagram para negócios, ele é a nossa vitrine. E a vitrine para ser montada é preciso ter intenção em colocar o seu melhor, mas que faça sentido para o seu público.

Então, se você quer ter uma conta em que não precisa pensar muito nas estruturas e no propósito das postagens, a segunda conta pode funcionar. Ou seja, você pode continuar postando fotos infinitas do seu casamento, do seu filho ou das suas viagens com os amigos sem pensar se esse conteúdo faz parte ou não do que eu ofereço de valor para o meu público.

Quer dizer que o perfil da minha marca pessoal deve ser apenas sobre negócios? Não! Mas a proporção que você coloca sobre a sua vida pessoal no feed deve ser muito menor do que aquele conteúdo que realmente interessa a nossa audiência. Porque antes de saber da sua história, eu quero saber de que forma você pode me ajudar.

 

E aqui, algumas razões que podem levá-lo a ter apenas uma conta:

– Você tem duas contas e está tendo dificuldade em mantê-las ativas e com postagens de conteúdo frequentes e relevantes. Ou você quer simplificar as suas estratégias nas redes sociais e inicialmente investir menos tempo ao ter que alternar e movimentar contas diferentes.

– Você tem um plano e entende de que forma incorporar posts da sua vida pessoal na conta profissional sem que confunda ou distraia o público do que realmente o interessa.

– Você tem um outro canal para mais conteúdo aprofundado sobre o assunto ou para mais informações sobre o que você oferece, para redirecionar o seu público mais interessado e que busca entender mais sobre a sua relevância no tema.

– Você não tem a necessidade de espontaneamente postar tudo o que você acha interessante ou o que você vive no seu dia a dia

 

No meu caso, eu já cheguei a ter duas contas separadas, mas hoje mantenho apenas uma ativa (a outra existe por nostalgia rs), onde compartilho a minha vida pessoal e conteúdo para o meu público com interesse em personal branding.

Não quer dizer que o que eu faço é a melhor fórmula, mas sim o que funciona pra mim e me traz os resultados que eu busco. É preciso, novamente, ter sempre em mente antes de aplicar fórmulas ou as recomendações: quais os meus objetivos com esse canal de distribuição? O que eu quero distribuir e para quem? O que se adapta ao meu contexto e à minha rotina? Com o que eu me sinto mais confortável? O que eu quero afinal pra mim, ao usar essa rede social? 

 

Faz sentido?
Compartilhe comigo o que funciona pra você! 

 

LEAVE A COMMENT

Your email address will not be published. Required fields are marked *